Provisão para devedores duvidosos: livre-se da inadimplência de clientes!

Quem trabalha com vendas a prazo sabe que a inadimplência é um risco inerente ao crediário e à dinâmica da economia, mesmo adotando ações eficientes para evitar a falta de pagamento por parte do cliente, como a análise de crédito, as cobranças recorrentes e a recuperação de recursos.

Outra prática importante que visa proteger o fluxo de caixa do negócio e enfrentar essa ocorrência é a Provisão para Devedores Duvidosos (PDD).

Afinal, o que é PDD, como esse indicador funciona e por que pode ajudar sua empresa a se preparar em relação a futuros prejuízos financeiros decorridos de atrasos ou da quebra de acordo dos consumidores? É o que veremos a seguir, mergulhando no universo contábil de maneira simples.

Confira!

O que é a Provisão para Devedores Duvidosos?

Trata-se do fornecimento de valores para uma espécie de reserva que subsidia a inadimplência. A ferramenta é importante para o negócio enfrentar as perdas oriundas da falta de recebimentos por vendas de produtos ou prestações de serviços, servindo para que você, empresário, não seja surpreendido e nem tenha dores de cabeça com problemas em seu capital de giro.

A PDD é um procedimento que calcula as estimativas de pagamento e de inadimplência antes do início do exercício contábil. Essa aferição deve ser intersetorial, isto é, envolver os profissionais de contabilidade e os que lidam diretamente com os clientes.

Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa

Nos últimos anos, contudo, a PDD teve mudanças significativas no Brasil, quando a legislação adotou as normas internacionais de contabilidade. Com a promulgação das leis 11.638/2007 e 11.941/2009, o cálculo sofreu alterações e passou a ser caracterizado como Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa (PECLD).

E o que isso significa?

Antes, a PDD era uma conta do passivo, ou seja, era obrigação da empresa arcar com os custos.

Com o PECLD, passou a ser uma conta retificadora do ativo: o ônus da prática entrou na dívida do consumidor no formato de reajuste.

Em conformidade com essa perspectiva, o Conselho de Pronunciamento Contábeis (CPC 38) estabeleceu que os valores de PECLD deveriam ser efetivados, e não mais estimados como perdas esperadas, como na PDD. Mesmo assim, este último critério continua sendo utilizado no país.

Como calcular a PDD e o PECLD?

A PDD trabalha com o critério de perdas esperadas e o seu cálculo é feito a partir do quanto a empresa arrecadará com vendas no próximo exercício contábil e qual será a média de valores de inadimplência. Dessa forma, tira-se da arrecadação o valor para cobrir os possíveis prejuízos.

O resultado desse montante leva em conta a análise do fluxo de caixa dos últimos anos e o comportamento da carteira de clientes quanto à falta de pagamento.

A subtração é a seguinte:

(Arrecadação de clientes) – (PDD) = Total

Já o PECLD funciona segundo o critério das perdas efetivas, mas com o mesmo modelo de cálculo. Em linhas gerais, o que muda é que a provisão não é feita com base em estimativas, mas sim com números reais. Especialistas o consideram mais objetivo e mensurável, além de ser recomendado pelo CPC.

Quais são os benefícios para o seu negócio?

Ambos os cálculos são importantes para manter a saúde financeira de sua empresa e prevenir problemas no fluxo de caixa e no capital de giro decorrentes da inadimplência.

Além disso, essas práticas de gestão e planejamento rendem vantagens ao seu negócio quando aplicadas corretamente por profissionais especializados. Mencionamos o equilíbrio financeiro, o controle das operações e a efetivação de cobranças como algumas das principais.

Oferecer diversas formas de pagamento é uma estratégia de se diferenciar da concorrência para prospectar e fidelizar clientes. O parcelamento das compras por meio de crediário próprio é uma delas, reconhecidamente por vários exemplos de sucesso de vendas, apesar dos riscos de crédito.

A Provisão para Devedores Duvidosos é uma das ferramentas disponíveis no mercado e previstas na legislação tributária para enfrentar os prejuízos da inadimplência. É importante você conhecê-la e utilizá-la na gestão do negócio.

Aproveite para ler nosso post que ensina como evitar clientes inadimplentes na empresa!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *